09/05/2018

CEO da Atlantic aposta na retomada econômica e dos leilões

José Roberto de Moraes falou para revista Valor Setorial Energia

“Crescimento sem precedentes”. É assim que a mais recente edição da revista Valor Setorial Energia, vinculada ao Valor Econômico, qualifica a expansão do setor de energia eólica no Brasil. O artigo especial sobre renováveis reúne as percepções dos players do mercado sobre o cenário energético e, especialmente da fonte eólica, até 2020. O CEO da Atlantic Energias Renováveis, José Roberto de Moraes, foi um dos entrevistados.   

Atualmente, a força dos ventos aparece em terceiro no ranking nacional com 8,3%, de participação na matriz do país. Atrás da biomassa, em segundo lugar com 9,3%, segundo dados da ABEEólica (Associação Brasileira de Energia Eólica).

O crescimento do setor é constante ao longo da última década. Com o barateamento da produção, investimentos importantes e alguns dos melhores ventos do mundo (fortes e constantes), o Brasil ganhou reconhecimento global por seu potencial e atualmente já ocupa a oitava posição no Ranking Mundial de Capacidade Eólica Instalada. Ao todo, o país tem 6.600 aerogeradores e mais de 500 parques eólicos em operação ou em fase de implantação.

Para atingir o objetivo de colocar a fonte eólica como a segunda mais importante do Brasil nos próximos anos, investidores e grandes empresas, dentre elas a Atlantic Energias Renováveis, estão apostando na retomada da economia e na maior demanda nos leilões.

“Temos aproximadamente 350 MW para serem desenvolvidos. A expectativa é de reaquecimento da economia e não podemos ficar à margem desse cenário”, declara José Roberto de Moraes à revista.

Firme com o seu planejamento de crescimento e com a implantação de novos projetos, a Atlantic já soma 642 MW de potência instalada em cinco empreendimentos. Quatro já operam com capacidade plena, e um, o Complexo Eólico Lagoa do Barro, no Piauí, está em fase de implantação.

Leia a matéria completa do Valor Setorial Energia aqui.

Se você é assinante do Valor Econômico, veja a versão online aqui.