22/01/2016

Desafios para a implantação de parques eólicos no Brasil

Em artigo publicado no DCI, o CEO da Atlantic Energias Renováveis, José Roberto de Moraes, fala sobre os desafios da diversificação da matriz energética no Brasil

Diversificar a matriz energética do Brasil é pauta constante nos últimos anos, mas a estiagem prolongada tornou a questão urgente. Celebrada no setor e na imprensa, a energia eólica foi a bola da vez, todavia, a implantação de empreendimentos eólicos encontra resistência em questões estruturais e burocráticas.

A exigência de documentação extensiva, por exemplo, que raramente é verificada por aqueles que a ordenam, causam atrasos em vistorias indispensáveis para o início de qualquer etapa de construção de um projeto de usina eólica. Grande parte dessas demandas surgem após o empreendedor vencer os leilões de energia, impactando no sucesso do plano de negócios.

Ainda durante a busca de financiamento de longo prazo, o empreendedor brasileiro torna-se vítima dos desequilíbrios da economia e encontra obstáculos na busca de financiamentos em condições condizentes com os termos comerciais fixados através de sucesso em leilões pregressos. Elevações nas taxas de juros, aumentos da carga tributária e a volatilidade cambial criam imprevisibilidades e desafios somente suportáveis quando o empreendedor tem a sorte de contar, como é o caso da Atlantic Energias Renováveis, com sólidas fontes de capital próprio de seus acionistas.

Todas essas imperfeições do mercado local são passíveis de melhora. Um planejamento claro e objetivo aliado a uma gestão energética desburocratizada é um dos primeiros passos de uma longa caminhada rumo ao aumento da participação das fontes de energias renováveis no Brasil. São passos a serem dados com urgência para não sufocar o setor e promover a eficiência energética do país.

Quanto mais essas medidas tardarem, maior o risco de que o destaque da energia eólica seja apenas um vento passageiro, pois no cenário atual, mesmo o melhor plano de negócios fica comprometido diante dos imensos desafios existentes.

Para ler o Artigo no Jornal DCI clique aqui