04/03/2016

Energia eólica cresce apesar da crise econômica

Brasil é o quarto maior produtor de energia eólica do mundo

Mesmo com a atual crise econômica, o segmento de energia eólica só cresce no Brasil, que atualmente é o quarto maior produtor de energia eólica do mundo, segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica – ABEEólica. O país fica atrás apenas da China, Alemanha e Estados Unidos, respectivamente.

O tema foi abordado pela presidente executiva da ABEEólica, Elbia Gannoum, no Programa Miriam Leitão, exibido pelo canal GloboNews em 25 de fevereiro. Elbia destacou o crescimento da fonte eólica no país e afirmou que as perspectivas do setor são boas. Em 2015, o Brasil teve investimento recorde ao contribuir com 2,75GW em novas instalações eólicas e completou 9GW de potência instalada.

Apesar das chuvas deste verão, o nível dos reservatórios das hidrelétricas para geração de energia ainda estão baixos. No Nordeste, o nível de água é 5%. Por isso, o uso de energia eólica cresceu significativamente na região e chegou a 46% do consumo. “Não fossem as eólicas na situação de seca que passamos, teríamos racionamento por um longo período no Nordeste e certamente no Brasil”, ressaltou a executiva. No Sudeste, o nível de água dos reservatórios é 32%.

Além de garantir a segurança do sistema elétrico, a energia eólica é altamente competitiva, sendo a segunda fonte renovável mais barata do país (perde apenas para as grandes hidrelétricas). Elbia explicou que energia é infraestrutura e investimento a longo prazo, e que o momento agora é de contratar reservas renováveis para o sistema que caibam no bolso do consumidor, e que contribuam para a diversificação da matriz elétrica nacional.  

Para assistir a um trecho do programa, clique aqui:
http://g1.globo.com/globo-news/miriam-leitao/videos/t/globonews-miriam-leitao/v/miriam-leitao-as-janelas-de-oportunidades-na-crise-economica/4842051/