07/04/2014

Investimentos de R$ 1,51 bi consolidam polo de energia eólica no RS

O governo gaúcho está comemorando o resultado do leilão de energia realizado nesta segunda-feira (18), pela Empresa de Pesquisa Energética, do governo federal. Segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa do Palácio Piratini, o Estado respondeu por R$ 37,64% das contratações, equivalentes a 19 parques eólicos e a 326,6 megawatts comercializados, o maior volume contratado […]

O governo gaúcho está comemorando o resultado do leilão de energia realizado nesta segunda-feira (18), pela Empresa de Pesquisa Energética, do governo federal. Segundo nota divulgada pela assessoria de imprensa do Palácio Piratini, o Estado respondeu por R$ 37,64% das contratações, equivalentes a 19 parques eólicos e a 326,6 megawatts comercializados, o maior volume contratado no leilão.

Os parques de geração de energia eólica, localizados em municípios como Santa Vitória do Palmar, Rio Grande e Livramento, somam investimentos de R$ 1,51 bilhão para o Rio Grande do Sul, quase metade dos R$ 3,37 bilhões garantidos pelo leilão em nível nacional. A energia começará a ser entregue a partir de 2016. O governador Tarso Genro considerou que as ações do Estado na área de energias renováveis estão dando resultados “acima do esperado”.

O Rio Grande do Sul já tem 15 parques eólicos em operação, com uma capacidade instalada de 460 megawatts. Com as contratações no leilão desta segunda-feira, o Estado deverá ter 78 parques de energia eólica até 2017 com uma capacidade instalada de 1.826,9 megawatts.

A expansão do setor no Estado está atraindo grandes empresas internacionais. A francesa Alstom investiu R$ 30 milhões em uma fábrica de torres metálicas para aero-geradores, em Canoas, com produção anual prevista de 120 torres e geração de 90 empregos diretos. A japonesa Honda vai implantar em Xangri-lá seu primeiro parque eólico no mundo destinado a suprir 100% da energia de uma planta fabril. Esse empreendimento contará com nove turbinas, com uma capacidade instalada de 27 megawatts. Isso representa a geração de 95 mil megawatts/ano, o equivalente ao consumo de energia de uma cidade com 35 mil habitantes e à demanda de energia da fábrica da Honda em Sumaré (SP).