07/04/2014

Energia Eólica: Limpa, renovável e competitiva

São Paulo – Ela se expandiu à velocidade de foguete nos últimos anos e hoje é a fonte que mais cresce no Brasil. Até 2018, a participação da energia eólica na matriz energética brasileira vai saltar dos atuais 3% para 8%. Segundo o último boletim sobre o setor, divulgado esta semana pela Associação Brasileira de […]

São Paulo – Ela se expandiu à velocidade de foguete nos últimos anos e hoje é a fonte que mais cresce no Brasil. Até 2018, a participação da energia eólica na matriz energética brasileira vai saltar dos atuais 3% para 8%.

Segundo o último boletim sobre o setor, divulgado esta semana pela Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), em seis anos, a capacidade instalada dessa fonte no país vai aumentar quase 300%.

Levando em conta os parque que estão em construção e a energia já contratada, vamos saltar dos atuais 3.445,3 megawatts (MW) para 13.487,3 MW, energia suficiente para abastecer mais de 20 milhões de casas no pais.

Por sinal, 2013 foi um ano recorde, com 4,7 gigawatts (GW) de potência contratada, 142% a mais do que a meta esperada de 2GW.

Dezembro terminou com um acréscimo de 10MW na capacidade instalada em relação ao mês anterior, passando para 3,46GW, distribuídos em 142 parques eólicos.

Veja, a seguir, os estados que lideram a corrida pela eólica no país:

Rio Grande do Sul

  • Capacidade instalada: 460,0 MW
  • Nº total de parques: 15
  • Parques em construção: 73
  • *Potência total até 2018: 1.978,9 MW

Santa Catarina

  • Capacidade instalada: 236,4 MW
  • Nº total de parques: 13
  • Parques em construção: 0
  • *Potência total até 2018: 236,4 MW

Paraíba

  • Capacidade instalada: 69,0 MW
  • Nº total de parques: 13
  • Parques em construção: 0
  • *Potência total até 2018: 69,0 MW

*representa a potência em operação, em construção e contratada, até 2018